Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Na lista Debian-BR, foi enviado uma chamada para ajudar num descritivo sobre Debian, para pedir voluntários dentro de um projeto da SERPRO.  Era pra ser um texto simples e explicativo.  Eu fiz minha parte e enviei a sugestão abaixo:

Você suspira pelos bons tempos do Linux, quando os homens eram homens e escreviam seus próprios "device drivers"? Você está sem um bom projecto em mãos e deseja trabalhar num S.O. que possa modificar de acordo com as suas necessidades? Acha frustrante quando tudo funciona no Ubuntu? Chega de noite ao computador para conseguir que os programas funcionem? Então esta mensagem pode ser exactamente para você. Como eu mencionei há um mês atrás, estou trabalhando numa versão independente de uma distro similar ao Ubuntu para computadores AT-386. Ele está, finalmente, próximo do estado em que poderá ser utilizado (embora possa não ser o que você espera), e eu estou disposto a disponibilizar o código-fonte para ampla distribuição. Ele está na versão lenny... contudo eu tive sucesso ao executar bash, gcc, gnu-make, gnu-sed, compressão etc. nele.

Não sei por qual motivo, o pessoal não gostou... mas eu fiz a minha parte.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Em várias ocasiões, preciso de alguma automação via script que utilize um comando telnet. Existem vários problemas de segurança em relação ao uso do telnet, mas vários equipamentos de rede, entre switches e roteadores, fazem uso dele (se bem que é possível substituir por ssh).

 

Para usar em scripts, uma das formas mais fáceis de fazer isso é concatenando comandos. É possível fazer login, entrar com a senha, e enviar os comandos necessários.

Como exemplo, uma conexão telnet normalmente seria da seguinte forma:

  • Nome do servidor destino: server
  • Login: user
  • Senha: user
[helio@linux ~]$ telnet server 
Trying 10.10.7.4...
Connected to server.
Escape character is '^]'.
login: user
Password:
user@server> exit
logout
Connection to server closed by foreign host.

Agora no formato para scripts, utilizando o pipe:

[helio@linux ~]$ (echo "user"; sleep 1; echo "user"; sleep 1;echo "date"; sleep 1) | telnet server 
Trying 10.10.7.4...
Connected to server.
Escape character is '^]'.
login:
Password:
user@server>date
Thursday, July 29, 2010 8:11:52 PM BRT
user@server>
Connection to server closed by foreign host.

 

Cada comando echo envia para o telnet os comandos que seriam digitados. Utilizei um comando date como exemplo, mas é possível enviar outros comandos e até mesmo ler a saída do comando, redirecionando para um arquivo.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Depois de mais de 3 anos com o bom e companheiro HP nc6400, acho que está chegando a hora de um refresh. Não que a máquina seja minha, muito pelo contrário. Ela pertence à empresa. Mas isso nunca influenciou nos cuidados com a mesma.

Desde o início rodei Unix nela. Comecei com FreeBSD, mas acabei migrando pra Linux, OpenSuse mais especificamente. Os motivos na época, são praticamente os mesmos pra manter Linux atualmente: funciona muito bem no modo de hibernação (já cheguei a quase 100 dias de uptime), sem problemas com as placas 3G (essencial atualmente) e fácil suporte à criptografia de disco. Não que o FreeBSD não tenha parte desses, mas o conjunto todo funciona melhor no Linux. Atualmente.

E na empresa está chegando o momento de refresh de hardware. Eu devia estar animado, mas o sistema padrão por lá é Windão. E vai ser novamente um problema rodar meu Linux, ali, no meu cantinho. Por isso acho que vou devolver o equipamento pra empresa e finalmente adquirir o meu próprio.

Pra isso, pedi algumas recomendações de laptop, via twitter mesmo. Uma das recomendações que recebi e gostei foi em relação à Dell, modelo vostro 3300.

 

 

 

 

Fino acabamento em alumínio, tela de 13 pol (prefiro as telas menores), placa nvidia... é uma tentação. Preciso então olhar as finanças pra ver se cabe mesmo no meu bolso. Afinal, já comprei um zilhão de quinquilharias pra pagar 50 reais por mês. Esses montes de 50 reais já estão pesando atualmente. Mas que é uma tentação, isso é...

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Finalmente parece que o novo site está de pé, 100%, e com poucos problemas.

A migração de Mamboserver pra Joomla não foi tão fácil quanto eu imaginava. A princípio parecia que existiam várias ferramentas prontas pra "clicar, importar, exportar", mas não foi bem assim.

Deve ser o costume Google de achar que basta clicar e tudo está pronto, mas com certeza foi longe disso.

Tentei fazer a migração sugerida, do Mamboserver para Joomla 1.0, para depois fazer outro upgrade para Joomla 1.5, mas não fui feliz em nenhuma tentativa.

Por fim resolvi baixar um dump em SQL do banco de dados e fazer o upload das partes realmente importantes manualmente, olhando as diferenças entre Joomla 1.5 e Mamboserver 4.6.2. Trabalho de presidiário, mas deu certo. Carreguei todos os artigos, as categorias, fiz uns acertos aqui e ali e... tudo apareceu online.

Aparecer online não significa isenção de problemas. Tive de abrir mão do lay-out e visual do site antigo. Não que seja ruim, pois com um novo motor Joomla no site, nada melhor que mudar o visual também. Mas a parte de organização, menus, posicionamento, tudo isso for pras cucuias.

Tive de refazer as categorias e seções, o que deu bastante trabalho pros 140 artigos existentes, e correr atrás de problemas de versão, que removeram os "mambots" que eu usava bastante: moscode e mosimage.

Do mosimage, consegui encontrar um plugin pra fazer funcionar tudo novamente. Deu certo de primeira, o que me deixou muito feliz (editar todos os artigos ia dar um baita trabalhão). Mas não tive tanta sorte com o moscode. Porém encontrei um outro plugin para adicionar suporte à codificação mesmo, usando coisas muito parecidas com o que fazia antes. Então bastou um:

 sed -i "s/moscode/CODE/g" loureiro.eng.br_dump.sql  

Apanhei também, e bastante, com o uso de cache do Joomla, que é muito mais intenso que no Mambo (que nem usava isso tanto assim). Deve dar uma performance muito melhor em websites com grande volume de acessos, mas para mim não deve mudar tanto assim.

Mas por fim está o site novo no ar. Talvez com alguns bugs ainda, mas devo ir corrigindo aos poucos. O lado bom da coisa é que o Joomla é realmente muito superior ao Mamboserver, inclusive com suporte à XMLRPC, que me permite escrever esse artigo num client no KDE4, Blogilo, sem precisar estar conectado. Muito conveniente e provavelmente uma mão na roda pra melhorar a taxa da atualização do site. Sem falar na integração com Twitter, que ainda não é totalmente a que eu queria, mas que uma hora vai chegar lá, com certeza.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Testando a interface via XMLRPC, utilizando o client Blogilo, pra KDE4.

=-=-=-=-=
Powered by Blogilo

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Já nas fases finais de migração para o Joomla, esse é o primeiro post de teste.

Infelizmente meus "mosimage" e "moscode" deixaram de funcionar, o que vai me obrigar a fazer uma grande revisão em tudo que foi postado.

Vai ser um grande exercício de nostalgia....

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Faz tanto tempo que não publico aqui, que agora vi um outro post sobre o uptime do meu laptop, que descrevi logo que mudei pra OpenSuse.

Fiquei tão surpreso de ficar mais de 40 dias sem desligar, que achei o máximo alcançar 46 dias.

O que posso dizer agora?

 01:37am up 72 days 11:38, 15 users, load average: 0.47, 0.41, 0.35 
Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Sei que o Twitter simplesmente sugou meus posts (e minha vida), e que tenho deixado o meu site bastante abandonado, mas não me esqueci dele não.

Nem poderia, uma vez que minha própria identidade é esse site. E pra minha surpresa, recebi a habitual cobrança anual de pagamento do domínio (essa parte não foi tão supreendente assim), mostrando que o mesmo completará 10 anos no dia 19 de Junho. Sim hoje!!!

 

Caro(a) usuário(a), Conforme sua opção, seguemabaixo os dados referentes a retribuição referente à manutenção de seu domínio. Domínio: loureiro.eng.br Criado em: 19/06/2000 Vencimento: 21/06/2010 Período: 1 ano Descrição: Manutenção de 19/06/2010 a 18/06/2011

Quando comecei com o domínio, a idéia era somente criar minha própria identidade, uma vez que eu me apresentava da forma "oi, sou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.", em referência ao querido LCMI, Laboratório de Controle e Microinformática, da UFSC , onde fui estagiário (bolsista CNPQ) e depois sysadmin (ou algo próximo disso) e comecei meu aprendizado de Unix, que tornou-se um vício em minha vida. Nessa mesma época, tinhamos criado um mirror da Debian , um dos primeiros oficiais no Brasil, o que me levou a conheçer várias personalidades do mundo Linux e Unix.

 

Eu queria ser reconhecido por nome e sobrenome, então registrei meu próprio domínio e criei meu site http://helio.loureiro.eng.br. Esse foi o início de tudo.

 

Comecei como todo mundo nessa época: página estática em HTML puro, uma vez que a mesma era hospedada ou no servidor do LCMI ou no falecido Geocities. Com o tempo, antes do surgimento dos BLOGs ou mesmo desse termo, notei que a edição de HTML puro era muito lento e antiquado pra manter um site. Um tanto óbvio atualmente, mas não em 2000. Muitos sites profissionais e portais eram desenhados em ferramentas gráficas como CorelDraw ou Photoshop (que dominavam o mercado), e depois recortados e montados como HTML. Trabalho escravo mesmo. Então resolvi trabalhar com CGIs, criando páginas dinâmicas baseadas em shell script. Isso mesmo, o bom e velho bash!.

Assim pude manter a página por alguns anos, tendo o cabeçalho e formatação de página em um modelo pronto, lido automaticamente, mas com o conteúdo em uma página TXT, atualizado via script. Era mais que suficiente para mim e atingia todos os objetivos que eu precisava em termos de facilidade e velocidade. Mudei para algumas outras linguagens como Python e Perl, mas sempre utilizando scripts para tudo.

Nesse meio tempo fui contratado pela Ericsson e me mudei pra São Paulo. Depois de ter meu acesso e site simplesmente cortados pelo meu antigo provedor, que na verdade era um pequena empresa da qual eu era sócio e que simplesmente demostraram sua raiva pela minha saída repentina fazendo isso com meu domínio, contratei um link ADSL business e montei meu próprio servidor em casa. Dias de glória de hospedagem de um servidor Quake.

Então acabei aprendendo melhor PHP e resolvi alterar de scripts para ele, devido à facilidade de integração com servidor web, fora as possibilidades mais gráficas e dinâmicas. Foram bons tempos entre eu e o PHP, mas num certo momento, encontrei o mesmo problema de antes: atualização remota. Esse fator diminui em muito a minha possibilidade de postar artigos e coisas novas. Sempre foi o calcanhar de Aquiles de todas as soluções que eu tinha montado.

Já tinham surgido Drupal e PHPNuke, duas ótimas alternativas para publicação na web e mesmo para BLOG, que já destoava forte como tendência. Enquanto pensava e testava ambos, Eduardo Maçan, já amigo de Linux e Debian nessa época, recomendou o uso do Mambo.

Isso já era 2004, mas não adotei o Mambo de cara: resolvi adotar em outros sites que tinha hospedado em casa e experimentar seu uso. Como foi amor à primeira vista, em 2005 finalmente decidi pela mudança para o mesmo. Isso pode ser visto no primeiro post registrado aqui e entitulado "Site novo", há mais de 5 anos atrás..

Desde o lançamento foram várias publicações, muitos crash, mudança de emprego, volta ao emprego antigo e até alteração de servidor (não mais no meu ADSL). Continuo com o Mambo, mas com intenções de mudança para Joomla, bastante contubardo pela falta de tempo, uma vez que tenho passado muito tempo em posts de 140 caracteres.

Ainda tento me manter na cultura Unix de 10 anos atrás, tanto que edito manualmente esse artigo, assim como todos os anteriores, em HTML, mas dentro do Mambo. Se existisse um editor VIW, um VI para Web, com certeza o usuaria. Fiz alguns scripts e patches no CMS, mas esse já chegou ao limite de suas possibilidade, e por isso penso na mudança. E nesse tempo todo vejo que todas as mudanças foram boas, de alguma forma. E por mais que eu achasse que algumas significavam o fim, 10 anos passaram e Loureiro.Eng.BR ainda está aí.

E que venham mais 10 anos!

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Resolvi fazer um upgrade no Ubuntu instalado no meu HD Externo. Afinal o mesmo está com o release 8.10 instalado, mais que desatualizado. Pretendo chegar à versão 10.04, mas a forma de fazer isso já é outro assunto.

Tentei em vão colocar o HD externo, reconhecido como /dev/sdb no OpenSuse 11.2, como um HD, CDROM e FLOPPY para boot. Não consegui diretamente, já que o VirtualBox procurar por um dispositivo com extensão VMDK ou VDI.

Consegui adicionar como dispositivo USB, mas não teve nenhum efeito no boot, que simplesmente falhava (justamente por não ter partição bootável reconhecida).

Googleando pela Internet, encontrei um comando que associa o dispositivo que está em /dev com um arquivo VMDK:

{CODE} VBoxManage internalcommands createrawvmdk -filename /tmp/dev1.vmdk -rawdisk /dev/disk -register {/CODE}

Estava no Fórum do VirtualBox, com uma pergunta relacionada a minha. Era uma dica para MacOSX, mas funcionou perfeitamente para Linux. E deve funcionar também para outros *nix, como FreeBSD e Solaris.

O resultando para mim foi:

{CODE} helio@musashi:Virtualization$ VBoxManage internalcommands createrawvmdk -filename $PWD/Ubuntu-external-disk-sdb.vmdk -rawdisk /dev/sdb -register Sun VirtualBox Command Line Management Interface Version 3.1.6 (C) 2005-2010 Sun Microsystems, Inc. All rights reserved. RAW host disk access VMDK file /usr/local/tmp/Virtualization/Ubuntu-external-disk-sdb.vmdk created successfully. {/CODE}

Após isso, consegui ver a tela de boot (menu do Grub), mas o mesmo parava durante o carregamento do splashscreen.

Resolvi esse problema removendo o suporte à aceleração 3D, depois de uma olhada nos logs. Agora estou rumo ao Ubuntu 10.04!

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Novamente a idéia de trocar o Mambo por Joomla invade meus pensamentos. Não que o Mambo não seja um bom CMS e eu esteja "cuspindo no prato em que comi", mas o ritmo de atualizações e features tem sido muito maior no Joomla.

Inclusive a integração com Twiiter, fazendo o post em ambos ao mesmo tempo, é melhor suportado no Joomla. Olhei as estruturas de módulos no Joomla e no Mambo e achei que no Joomla é melhor, mais organizada.

Agora falta testar a migração. Não adianta achar que o Joomla é muito melhor, mas não conseguir ter o site do mesmo jeito, com as mesmas funcionalidades. Inclusive com os módulos extras instalados como o contador de acessos, entre outros.

Mas com certeza vale a tentativa, pois mesmo meus posts aqui diminuiram muito. Isso porque o Twitter tem sugado meus posts, não por culpa dele mas mais pelo motivo de estar utilizando um client legal, Chokoq, que permite postar facilmente a partir do desktop, coisa que realmente falta para o Mambo, que nem XML-RPC suporta.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Depois de muito esforço e várias escorregadas (colocando tudo fora do ar por aqui), consegui fazer uma integração entre o Mambo CMS e o módulo do Add This!, permitindo referenciar todas as entradas postadas aqui tanto no Twitter quanto no Facebook, Linkedin, etc.

Fiz baseado no programa AddThis Plugin for Joomla , totalmente GPL, e estarei publicando da mesma forma, assim como registrando no site do Mambo-Code (acho que era o antigo Mambo Forge), mas por enquanto vou ainda guardar na gaveta pois o código ainda está muito sujo e algumas partes não estão tão boas quanto deveriam, fazendo o botão do AddThis! aparecer em áreas indevidas.

Entre os bugs a corrigir estão os da página principal: qualquer das referências clicadas, não aponta pro post em sim, mas por site inteiro. É necessário clicar no título do post para somente assim enviar para uma das redes sociais.

Não é algo que mate, é chato, mas já é um começo...

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

 

Uma vez que mudei para OpenSuse, todo os projetos e uso de FreeBSD pararam completamente.

Eu tinha conseguido a autorização do dono do projeto finstall, uma interface gráfica de instalação para o FreeBSD baseado em Python e Glade, para participar, sendo incluido como commiter, mas nunca atualizei nada. Vergonha pura.

VirtualboxTentando retomar os trabalhos, instalei o FreeBSD 8.0 num ambiente VirtualBox. Um dos primeiros problemas que notei de cara foi o Xorg. O ambiente inicia com 800x600 e não há meios de mudar isso (o ambiente hospedeiro tem tela de 1280x800). Problema que não encontrei no Windão dentro do VirtualBox.

Googleando por aí, encontrei a sugestão para alterar meu xorg.conf com os parâmetros:

Section "Monitor" 
   #Add the following two lines: 
   HorizSync 31-80 
   VertRefresh 30-100 

e

   #add your mode: 
   SubSection "Display" 
      Viewport 0 0 
      Depth 16 
      Modes "1280x800" 
   EndSubSection 

ambos não funcionaram.

Buscando mais um pouco no Google, segui uma lista do próprio VirtualBox, sobre o mesmo problema. A dica matadora foi utilizar:

 VBoxManage setextradata your_machines_name CustomVideoMode1xx

No meu caso:

 VBoxManage setextradata FreeBSD CustomVideoMode1 1280x800x16 

Existem algumas dicas no FreeBSD Wiki, como o uso do driver "vboxvideo", mas para mim nada deu certo (só funcionou com o driver "vesa").

Outra coisa que levei um certo tempo pra me ligar e arrumar foi em relação ao teclado e mouse. Não havia meio de funcionar. Somente depois de umas 2 horas batendo cabeça lembrei que precisava da instalação do hald e dbus. Instalando o hald, o restante vem automagicamente como dependência.

Agora estou feliz com meu FreeBSD funcionando no VirtualBox, falando com a Internet e o Linux através de uma interface bridged. Espero conseguir fazer alguma coisa logo pro finstall.