Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Sei que o Twitter simplesmente sugou meus posts (e minha vida), e que tenho deixado o meu site bastante abandonado, mas não me esqueci dele não.

Nem poderia, uma vez que minha própria identidade é esse site. E pra minha surpresa, recebi a habitual cobrança anual de pagamento do domínio (essa parte não foi tão supreendente assim), mostrando que o mesmo completará 10 anos no dia 19 de Junho. Sim hoje!!!

 

Caro(a) usuário(a), Conforme sua opção, seguemabaixo os dados referentes a retribuição referente à manutenção de seu domínio. Domínio: loureiro.eng.br Criado em: 19/06/2000 Vencimento: 21/06/2010 Período: 1 ano Descrição: Manutenção de 19/06/2010 a 18/06/2011

Quando comecei com o domínio, a idéia era somente criar minha própria identidade, uma vez que eu me apresentava da forma "oi, sou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.", em referência ao querido LCMI, Laboratório de Controle e Microinformática, da UFSC , onde fui estagiário (bolsista CNPQ) e depois sysadmin (ou algo próximo disso) e comecei meu aprendizado de Unix, que tornou-se um vício em minha vida. Nessa mesma época, tinhamos criado um mirror da Debian , um dos primeiros oficiais no Brasil, o que me levou a conheçer várias personalidades do mundo Linux e Unix.

 

Eu queria ser reconhecido por nome e sobrenome, então registrei meu próprio domínio e criei meu site http://helio.loureiro.eng.br. Esse foi o início de tudo.

 

Comecei como todo mundo nessa época: página estática em HTML puro, uma vez que a mesma era hospedada ou no servidor do LCMI ou no falecido Geocities. Com o tempo, antes do surgimento dos BLOGs ou mesmo desse termo, notei que a edição de HTML puro era muito lento e antiquado pra manter um site. Um tanto óbvio atualmente, mas não em 2000. Muitos sites profissionais e portais eram desenhados em ferramentas gráficas como CorelDraw ou Photoshop (que dominavam o mercado), e depois recortados e montados como HTML. Trabalho escravo mesmo. Então resolvi trabalhar com CGIs, criando páginas dinâmicas baseadas em shell script. Isso mesmo, o bom e velho bash!.

Assim pude manter a página por alguns anos, tendo o cabeçalho e formatação de página em um modelo pronto, lido automaticamente, mas com o conteúdo em uma página TXT, atualizado via script. Era mais que suficiente para mim e atingia todos os objetivos que eu precisava em termos de facilidade e velocidade. Mudei para algumas outras linguagens como Python e Perl, mas sempre utilizando scripts para tudo.

Nesse meio tempo fui contratado pela Ericsson e me mudei pra São Paulo. Depois de ter meu acesso e site simplesmente cortados pelo meu antigo provedor, que na verdade era um pequena empresa da qual eu era sócio e que simplesmente demostraram sua raiva pela minha saída repentina fazendo isso com meu domínio, contratei um link ADSL business e montei meu próprio servidor em casa. Dias de glória de hospedagem de um servidor Quake.

Então acabei aprendendo melhor PHP e resolvi alterar de scripts para ele, devido à facilidade de integração com servidor web, fora as possibilidades mais gráficas e dinâmicas. Foram bons tempos entre eu e o PHP, mas num certo momento, encontrei o mesmo problema de antes: atualização remota. Esse fator diminui em muito a minha possibilidade de postar artigos e coisas novas. Sempre foi o calcanhar de Aquiles de todas as soluções que eu tinha montado.

Já tinham surgido Drupal e PHPNuke, duas ótimas alternativas para publicação na web e mesmo para BLOG, que já destoava forte como tendência. Enquanto pensava e testava ambos, Eduardo Maçan, já amigo de Linux e Debian nessa época, recomendou o uso do Mambo.

Isso já era 2004, mas não adotei o Mambo de cara: resolvi adotar em outros sites que tinha hospedado em casa e experimentar seu uso. Como foi amor à primeira vista, em 2005 finalmente decidi pela mudança para o mesmo. Isso pode ser visto no primeiro post registrado aqui e entitulado "Site novo", há mais de 5 anos atrás..

Desde o lançamento foram várias publicações, muitos crash, mudança de emprego, volta ao emprego antigo e até alteração de servidor (não mais no meu ADSL). Continuo com o Mambo, mas com intenções de mudança para Joomla, bastante contubardo pela falta de tempo, uma vez que tenho passado muito tempo em posts de 140 caracteres.

Ainda tento me manter na cultura Unix de 10 anos atrás, tanto que edito manualmente esse artigo, assim como todos os anteriores, em HTML, mas dentro do Mambo. Se existisse um editor VIW, um VI para Web, com certeza o usuaria. Fiz alguns scripts e patches no CMS, mas esse já chegou ao limite de suas possibilidade, e por isso penso na mudança. E nesse tempo todo vejo que todas as mudanças foram boas, de alguma forma. E por mais que eu achasse que algumas significavam o fim, 10 anos passaram e Loureiro.Eng.BR ainda está aí.

E que venham mais 10 anos!

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Resolvi fazer um upgrade no Ubuntu instalado no meu HD Externo. Afinal o mesmo está com o release 8.10 instalado, mais que desatualizado. Pretendo chegar à versão 10.04, mas a forma de fazer isso já é outro assunto.

Tentei em vão colocar o HD externo, reconhecido como /dev/sdb no OpenSuse 11.2, como um HD, CDROM e FLOPPY para boot. Não consegui diretamente, já que o VirtualBox procurar por um dispositivo com extensão VMDK ou VDI.

Consegui adicionar como dispositivo USB, mas não teve nenhum efeito no boot, que simplesmente falhava (justamente por não ter partição bootável reconhecida).

Googleando pela Internet, encontrei um comando que associa o dispositivo que está em /dev com um arquivo VMDK:

{CODE} VBoxManage internalcommands createrawvmdk -filename /tmp/dev1.vmdk -rawdisk /dev/disk -register {/CODE}

Estava no Fórum do VirtualBox, com uma pergunta relacionada a minha. Era uma dica para MacOSX, mas funcionou perfeitamente para Linux. E deve funcionar também para outros *nix, como FreeBSD e Solaris.

O resultando para mim foi:

{CODE} helio@musashi:Virtualization$ VBoxManage internalcommands createrawvmdk -filename $PWD/Ubuntu-external-disk-sdb.vmdk -rawdisk /dev/sdb -register Sun VirtualBox Command Line Management Interface Version 3.1.6 (C) 2005-2010 Sun Microsystems, Inc. All rights reserved. RAW host disk access VMDK file /usr/local/tmp/Virtualization/Ubuntu-external-disk-sdb.vmdk created successfully. {/CODE}

Após isso, consegui ver a tela de boot (menu do Grub), mas o mesmo parava durante o carregamento do splashscreen.

Resolvi esse problema removendo o suporte à aceleração 3D, depois de uma olhada nos logs. Agora estou rumo ao Ubuntu 10.04!

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Novamente a idéia de trocar o Mambo por Joomla invade meus pensamentos. Não que o Mambo não seja um bom CMS e eu esteja "cuspindo no prato em que comi", mas o ritmo de atualizações e features tem sido muito maior no Joomla.

Inclusive a integração com Twiiter, fazendo o post em ambos ao mesmo tempo, é melhor suportado no Joomla. Olhei as estruturas de módulos no Joomla e no Mambo e achei que no Joomla é melhor, mais organizada.

Agora falta testar a migração. Não adianta achar que o Joomla é muito melhor, mas não conseguir ter o site do mesmo jeito, com as mesmas funcionalidades. Inclusive com os módulos extras instalados como o contador de acessos, entre outros.

Mas com certeza vale a tentativa, pois mesmo meus posts aqui diminuiram muito. Isso porque o Twitter tem sugado meus posts, não por culpa dele mas mais pelo motivo de estar utilizando um client legal, Chokoq, que permite postar facilmente a partir do desktop, coisa que realmente falta para o Mambo, que nem XML-RPC suporta.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Depois de muito esforço e várias escorregadas (colocando tudo fora do ar por aqui), consegui fazer uma integração entre o Mambo CMS e o módulo do Add This!, permitindo referenciar todas as entradas postadas aqui tanto no Twitter quanto no Facebook, Linkedin, etc.

Fiz baseado no programa AddThis Plugin for Joomla , totalmente GPL, e estarei publicando da mesma forma, assim como registrando no site do Mambo-Code (acho que era o antigo Mambo Forge), mas por enquanto vou ainda guardar na gaveta pois o código ainda está muito sujo e algumas partes não estão tão boas quanto deveriam, fazendo o botão do AddThis! aparecer em áreas indevidas.

Entre os bugs a corrigir estão os da página principal: qualquer das referências clicadas, não aponta pro post em sim, mas por site inteiro. É necessário clicar no título do post para somente assim enviar para uma das redes sociais.

Não é algo que mate, é chato, mas já é um começo...

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

 

Uma vez que mudei para OpenSuse, todo os projetos e uso de FreeBSD pararam completamente.

Eu tinha conseguido a autorização do dono do projeto finstall, uma interface gráfica de instalação para o FreeBSD baseado em Python e Glade, para participar, sendo incluido como commiter, mas nunca atualizei nada. Vergonha pura.

VirtualboxTentando retomar os trabalhos, instalei o FreeBSD 8.0 num ambiente VirtualBox. Um dos primeiros problemas que notei de cara foi o Xorg. O ambiente inicia com 800x600 e não há meios de mudar isso (o ambiente hospedeiro tem tela de 1280x800). Problema que não encontrei no Windão dentro do VirtualBox.

Googleando por aí, encontrei a sugestão para alterar meu xorg.conf com os parâmetros:

Section "Monitor" 
   #Add the following two lines: 
   HorizSync 31-80 
   VertRefresh 30-100 

e

   #add your mode: 
   SubSection "Display" 
      Viewport 0 0 
      Depth 16 
      Modes "1280x800" 
   EndSubSection 

ambos não funcionaram.

Buscando mais um pouco no Google, segui uma lista do próprio VirtualBox, sobre o mesmo problema. A dica matadora foi utilizar:

 VBoxManage setextradata your_machines_name CustomVideoMode1xx

No meu caso:

 VBoxManage setextradata FreeBSD CustomVideoMode1 1280x800x16 

Existem algumas dicas no FreeBSD Wiki, como o uso do driver "vboxvideo", mas para mim nada deu certo (só funcionou com o driver "vesa").

Outra coisa que levei um certo tempo pra me ligar e arrumar foi em relação ao teclado e mouse. Não havia meio de funcionar. Somente depois de umas 2 horas batendo cabeça lembrei que precisava da instalação do hald e dbus. Instalando o hald, o restante vem automagicamente como dependência.

Agora estou feliz com meu FreeBSD funcionando no VirtualBox, falando com a Internet e o Linux através de uma interface bridged. Espero conseguir fazer alguma coisa logo pro finstall.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Enfim a comissão européia aprovou a compra da Sun pela Oracle, criando uma gigante em hardware, sistemas e banco de dados. O futuro torna-se incerto para o MySQL, assim como OpenSolaris e OpenOffice.

Apesar de todo rumor sobre o que acontecerá com os projetos de software que eram patrocinados pela Sun, acredito que essa aquisição veio num bom momento. A Sun não andavam muito bem com suas finanças, perdendo cada vez mais mercado para servidores Intel ou HP. Seu hardware só estava sendo adquirido, junto com o Solaris, quando utilizado com o Oracle (o que faz a aquisição ter muito sentido). Fora isso, a empresa era um titã cambaleante, ofegante. Ou alguém tem a ilusão de que um servidor T5240, com 64 CPUs, 96 GB de RAM, seria comprado pra ser um servidor web?

Achei engraçada a imagem postada por James Gosling, um dos pais do Java.

é uma crítica direta, mas ele esquece que o CEO da Oracle, Larry Ellison, investiu em Linux antes da própria Sun, criando um versão própria chamada "unbreakable", anti-microsoft (aqui já é opinião minha), e fã de Java (talvez não tanto quanto a IBM). E se a coisa apertar para o lado do MySQL, isso não é nada que uma Google não possa "hostear" como projeto free software.

Eu acho que foi um final feliz. Vamos ver o que o futuro reserva.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:
Aproveitando a tranquilidade das férias, que juntei com as férias coletivas e mais uns dias que tinha no banco de horas (preferia em dinheiro) totalizando uns 35 dias, resolvi dar uma revisada nos meus sites, blogs, twitters, etc:

Como já esperava, o mais desatualizado é esse daqui mesmo :-)

Fui dar uma verificada nas estatísticas de acesso e encontrei algumas inconsistências no banco de dados (várias entradas para mesmo tipo de browser). Já tinha tentando arrumar isso com SQL uma outra vez, que não funcionou nada bem. Dessa vez resolvi partir para outra solução.

Utilizando o phpMyAdmin (administração do MySQL via web), fiz um backup da tabela "mos_stats_agents", e exportei a mesma no formato CSV.

Fiz um programa pra filtragem dos dados, em perl (disponível na outra parte desse post), deixando somente o valor do contador que fosse mais alto e... sucesso! Importei os dados novamente (fazendo antes um "DELETE FROM 'mos_stats_agents') e corrigi a tabela, que de 21140 entradas passou para 411. Tudo isso por falta de um "unique" num campo da tabela, que permite uns erros grotescos como esses que estavam acontencendo.

O programa permitiu visualizar umas estatísticas interessantes:

{CODE} === Report === Total accesses per browsers: 83316 Total accesses per operating system: 58728 Total accesses per countries: 104946 {/CODE}

Ou seja, a quantidade de acessos deveria ser igual. Pelos dados, vejo que o contador do site se baseia no número de sistemas operacionais que acessaram a página.

Dando uma olhada interna no gerenciamento do mamboserver, pude ver que, além de ter corrigido as entradas repetidas, a relação de browsers realmente inverteu, mostrando Mozilla e Firefox acima dos Internet Explorer, como muitos sites já tinham noticiado anteriormente (Info Exame por exemplo).

{mosimage}
Em sistemas operacionais, Windão continua sendo o número 1, seguido de alguma coisa desconhecida, que suponho ser bots do google e outros web crawlers, assim como web proxies. Linux continua com uns 5%.
{mosimage}
Sei que os acessos ao meu site não são boa amostragem, uma vez que o público que acessa é bastante específico, mas é possível notar que realmente as coisas estão mudando.

Leia mais:Estatísticas de acesso
Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

 Acho que esse é um tema bastante procurado. Eu demorei pra encontrar os parâmetros corretos e 5 mídias (a R$ 7,00 cada). Foi um custo alto, mas com um sabor agradável de vitória :-)

Primeiramente, para copiar um DVD de Xbox 360, é preciso utilizar uma mídia DL (Dual Layer), com capacidade de 8 GB. As melhores são da marca Verbatim, mas tenho algumas da Kodak (com cara de coisa vagabunda mesmo). Nem todos os gravadores de DVD suportam gravação de DL, mas é possível descobrir no ínicio da gravação, que já aborta a operação e não perde o DVD.

Se for cópia de DVD para DVD, faça uma imagem local com o bom e velho comando "dd":

 dd if=/dev/dvdrw of=imagem.iso bs=4096 

Sempre utilizo bs=4096pois os blocos dos discos de DVDs são maiores, de tamanho 4kb, o que faz com que a quantidade de I/O por bloco seja menor. Mas não afeta o resultado final, nem o tempo.

Finalmente, para gravar, o comando é:

growisofs -use-the-force-luke=dao -use-the-force-luke=break:1913760 -dvd-compat -speed=2 -Z /dev/dvdrw=imagem.iso

Veja que /dev/dvdrw é a sua unidade de DVD (em geral /dev/sr0).

Se não for cópia de DVD, mas gravação de imagem, substitua o imagem.iso pelo arquivo desejado.

Leia mais:Copiando e gravando DVDs de Xbox 360 no Linux
Escrito por Helio Loureiro
Categoria:


 Depois de tantos anos lutando contra as forças das trevas, finalmente eu mesmo me rendi. Não estou usando Windows, mas comprei um Xbox 360.

Isso mesmo: comprei. Não fui forçado, nem coagido, nem nada. Simplesmente resolvi adquirir um console mais recente pra jogar.

Encontrei algumas referências sobre como rodar Linux no mesmo, como em Free60.org, então achei que daria pra fazer algo mais com ele.

Infelizmente descobri que minha versão de hardware e software não permitiam isso. Então, só jogos mesmo. E porquê não um PS3? Pelo simples motivo que a cada 2 ou 3 jogos, vc compra outro console. No Xbox, existe a possibilidade de destravar e jogar jogos... humm... digamos *alternativos*.

Mas consegui encontrar vários scripts sobre o mesmo, em Linux, que pretendo publicar (por isso a seção xbox 360).

Aos desavisados, não se preocupem, pois já fui banido da Microsoft Live por causa do meu console *modificado*:

O arrastão que baniu os *moddeds* foi numa sexta-feira 13. Ao menos o pessoal da Microsoft tem um certo humor.

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:

Já fiz upgrade pra recém lançada versão 11.2. Mas estou gostando do uso do Suse, com zypper. Inclusive consegui uma grande conquista:

7:02pm up 46 days 5:44, 12 users, load average: 0.58, 0.37, 0.16

46 dias sem desligar o sistema...

Escrito por Helio Loureiro
Categoria:
{mosimage} Finalmente tive a oportunidade de pegar uma das placas 3G, com chip da Claro. Uma das vantagens da migração do FreeBSD pro Linux é justamente a facilidade no reconhecimento de novos hardwares. A placa foi identificada de imediato pelo meu OpenSuse 11:
{CODE} usb usb7: configuration #1 chosen from 1 choice hub 7-0:1.0: USB hub found hub 7-0:1.0: 1 port detected usb usb7: New USB device found, idVendor=1d6b, idProduct=0001 usb usb7: New USB device strings: Mfr=3, Product=2, SerialNumber=1 usb usb7: Product: OHCI Host Controller usb usb7: Manufacturer: Linux 2.6.25.20-0.4-default ohci_hcd usb usb7: SerialNumber: 0000:03:00.1 usb 6-1: new full speed USB device using ohci_hcd and address 2 usb 6-1: configuration #2 chosen from 1 choice usb 6-1: New USB device found, idVendor=0fce, idProduct=d0b2 usb 6-1: New USB device strings: Mfr=1, Product=2, SerialNumber=3 usb 6-1: Product: Sony Ericsson PC300 usb 6-1: Manufacturer: Sony Ericsson usb 6-1: SerialNumber: 3579310101884440 cdc_acm 6-1:2.1: ttyACM0: USB ACM device cdc_acm 6-1:2.3: ttyACM1: USB ACM device usbcore: registered new interface driver cdc_acm drivers/usb/class/cdc-acm.c: v0.25:USB Abstract Control Model driver for USB modems and ISDN adapters usb0: register 'cdc_ether' at usb-0000:03:00.0-1, CDC Ethernet Device, 02:80:37:0a:03:00 usbcore: registered new interface driver cdc_ether usb0: no IPv6 routers present {/CODE}
O driver cdc_acm foi carregado automaticamente.

Para fazer a discagem, instalei o aplicativo wvdial, velho companheiro dos tempos de modem discado, à 14400 bps. Utilizando o wvdialconf, a placa 3G é automagicamente identificada:
{mosimage} {CODE} Editing `/etc/wvdial.conf'. Scanning your serial ports for a modem. Modem Port Scan<*1>: S0 S1 ttyS2<*1>: ATQ0 V1 E1 -- failed with 2400 baud, next try: 9600 baud ttyS2<*1>: ATQ0 V1 E1 -- failed with 9600 baud, next try: 115200 baud ttyS2<*1>: ATQ0 V1 E1 -- and failed too at 115200, giving up. Modem Port Scan<*1>: S3 ttyS4: No such device or address Modem Port Scan<*1>: S4 ttyS5: No such device or address Modem Port Scan<*1>: S5 ttyS6: No such device or address Modem Port Scan<*1>: S6 ttyS7: No such device or address Modem Port Scan<*1>: S7 WvModem<*1>: Cannot get information for serial port. ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 -- OK ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 Z -- OK ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 -- OK ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 -- OK ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 -- OK ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 -- OK ttyACM0<*1>: Modem Identifier: ATI -- PC300 ttyACM0<*1>: Speed 4800: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 9600: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 19200: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 38400: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 57600: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 115200: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 230400: AT -- OK ttyACM0<*1>: Speed 460800: AT -- OK ttyACM0<*1>: Max speed is 460800; that should be safe. ttyACM0<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 -- OK WvModem<*1>: Cannot get information for serial port. ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 -- OK ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 Z -- OK ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 -- OK ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 -- OK ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 -- OK ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 -- OK ttyACM1<*1>: Modem Identifier: ATI -- PC300 ttyACM1<*1>: Speed 4800: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 9600: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 19200: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 38400: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 57600: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 115200: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 230400: AT -- OK ttyACM1<*1>: Speed 460800: AT -- OK ttyACM1<*1>: Max speed is 460800; that should be safe. ttyACM1<*1>: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 -- OK Found an USB modem on /dev/ttyACM0. Modem configuration written to /etc/wvdial.conf. ttyACM0: Speed 460800; init "ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0" ttyACM1: Speed 460800; init "ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0" {/CODE}
Esperava ver mais velocidade, mas 460k já é melhor que nada. Infelizmente a configuração padrão não funcionou de jeito nenhum. Vasculhando google afora, encontrei o link de configuração para outro tipo de modem, o E-226:

Adaptei a mesma para o PC300, como mostra meu /etc/wvdial.conf abaixo:
{CODE} [Dialer Defaults] Carrier Check = off Init1 = ATZ Init2 = ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 Password = claro Ask Password = 0 Check Def Route = 1 Phone = *99***1# Idle Seconds = 0 Modem Type = Analog Modem Stupid Mode = 1 Compuserve = 0 Baud = 460800 Auto DNS = off Dial Command = ATDT Modem = /dev/ttyACM0 ISDN = 0 Username = claro [Dialer claro3g] Stupid Mode = on Password = claro Auto Reconnect = off Username = claro Phone = *99***1# {/CODE}
Também precisei editar o arquivo /etc/ppp/peers/wvdial para desabilitar as opções de compressão:
{CODE} plugin passwordfd.so noauth name wvdial debug kdebug 9 record /tmp/pppd.dump noccp novj novjccomp {/CODE}
Com isso consegui a conexão via 3G, bastando digitar wvdial.
{CODE} --> WvDial: Internet dialer version 1.60 --> Cannot get information for serial port. --> Initializing modem. --> Sending: ATZ ATZ OK --> Sending: ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 ATQ0 V1 E1 S0=0 &C1 &D2 +FCLASS=0 OK --> Modem initialized. --> Sending: ATDT*99***1# --> Waiting for carrier. ATDT*99***1# ~[7f]}#@!}!}!} }9}#}%B#}%}(}"}'}"}"}&} } } } }%}&n>}/qzY~ CONNECT --> Carrier detected. Starting PPP immediately. --> Starting pppd at Fri Jul 31 21:34:15 2009 --> Pid of pppd: 14211 --> Using interface ppp0 --> Authentication (CHAP) started --> Authentication (CHAP) successful --> local IP address 189.94.168.217 --> remote IP address 10.64.64.64 --> Script /etc/ppp/ip-up run successful --> Default route Ok. --> Nameserver (DNS) Ok. --> Connected... Press Ctrl-C to disconnect {/CODE}
Não é muito rápido, mas ajuda muito em locais sem opção de Internet, como quando estou dentro do site de clientes.