Imagem do dia

IMG_1607.jpg

Estatísticas

Visitantes
3
Artigos
285
Ver quantos acessos teve os artigos
658171

Home

Palestra de Richard Stallman na Universidade de Estocolmo

Imprimir Email

Categoria: Blog

2016 já começou para mim com oportunidades de acompanhar alguns assuntos interessantes. E no caso eu pude assistir uma palestra de Richard Stallman na aula magna da universidade de Estocolmo, Suécia.  Pra quem não sabe e associa Suécia com cachorro são bernardo, chocolates e alpes para esquiar, essa é a Suíça.  Suécia é um país mais ao norte da Europa, da região que vieram os vikings.   Se já jogou Skyrim, é daquela região que é cheia de gelo quase que o ano inteiro.    Além do frio e dias escuros no inverno (assim como dias longos no verão), a Suécia é um país com bastante igualdade social.  Então a palestra do Stallman atraiu meu interesse pois eu gostaria de ver quais seriam os argumentos sobre software livre num país onde o uso do mesmo não influencia em uma mudança social.  Como falar de liberdade para um povo livre?  E não me refiro ao quesito econômico somente, mas também em igualdade de gêneros, igualdade de oportunidades, enfim igualdade em tudo!

Eu já vi várias vezes as palestras dele no Brasil, e até algumas vezes pela Internet  Então eu esperava alguns argumentos diferentes do que estou acostumado a ouvir, mas no fim a palestra foi muito interessante sob vários pontos de vista.  Infelizmente os pontos que vou descrever a seguir mostram totalmente o ponto de vista do interlocutor.  Conforme ele ia falando, meu nível de interesse aumentava com as coisas que eu realmente queria ouvir.  Assim que conseguir um link pra algum vídeo gravado da palestra, estarei disponibilizando para quem mais pessoas possam ter opiniões próprias sobre o que ele falou (ou até deixou de falar).  O que descrevo abaixo eu confirmei com alguns amigos que estavam por lá, apenas para ter certeza que não tinha sido engano meu ou algum erro de tradução do inglês que entendi dele.

BSD

Acho que nunca tinha ouvido ele mencionar BSD antes.  Dessa vez ele não só mencionou como disse que não baseou seu sistema livre em BSD pois na época, 82/83, o Unix BSD estava muito enraizado e misturado com o sistema proprietário da AT&T.  Esse foi o motivo que o levou a criar um sistema GNU: garantir que o sistema seria completamente livre de qualquer código proprietário.  Ele também disse que ajudou a incentivar a criação de um BSD totalmente livre.

Pela história dos BSD, essa época não era exatamente quando acontecia o processo da AT&T pelo uso de seu código por sistemas BSDs (na verdade contra a BSDi) e que resultou no padrão BSD4.4-Lite, de onde surgiram os BSDs modernos como FreeBSD, DragonFly, OpenBSD, Netbsd, etc.  Isso aconteceu no final dos anos 80, início dos 90.  mas eu acho que já devia estar acontecendo discussões nesse sentido, assim como algumas visitas de advogados.  Sabemos como a história termina (e graças a ela que houve uma janela de falta de sistema operacional livre que permitiu o surgimento do Linux).

Eu sabia que Stallman atuou diretamente na padronização POSIX, mas não sabia que tinha colaborado com os BSDs.  A colaboração pode até ter sido pela criação do GCC, que permitiu em muito a criação dos sistemas BSDs completamente livres da atualidade, ou mesmo pela POSIX, mas foi interessante saber quem ele participou disso.

E ele terminou dizendo que BSDs atualmente são software livre.  Talvez depois da discussão com Theo de Raadt, criador do sistema OpenBSD, ele tenha repensado seus critérios sobre software livre e sistemas operacionais, uma vez que ele nunca tinha dito isso.

Ubuntu

Claro que não poderiam faltar as críticas ao Ubuntu.  Mas ele falou algo que finalmente chegou ao ponto da questão: não existe nenhum outro sistema baseado em GNU/Linux com tantos usuários como o Ubuntu.  Sim, isso mesmo.  Stallman dirige suas críticas ao Ubuntu por conta de seu sucesso.  Não, ele não é contra o sucesso de uma distribuição de Linux (ou como ele gosta de dizer, GNU/Linux).  O problema pela visão dele é que o Ubuntu pode e está influenciando uma grande parcela de usuários e, principalmente novos usuários, sobre software livre.  Se não for passada a mensagem certa, esses usuários não entenderão a fundo o que é software livre pela visão de Stallman, onde liberdade deve vir antes de facilidade de uso.  Quem busca liberdade, tem de estar preparado para sofrer (palavras dele).

 

Qual distro usar?

Stallman é muito hábil nesse sentido.  Ele não defende nenhuma distro, assim como não recomenda nenhuma especificamente.  Deixa cada um usar a que melhor lhe servir, mas pede para que se lembre que o importante é a liberdade, de poder usar como quiser.  E que uma distro de software livre deve permitir copiar, modificar, redistribuir e não criar restrições quanto seu uso.  Sempre.  Fora isso, nem prós, nem contras.  Ele avisou que existem distros recomendadas pelas FSF e GNU, que garantem a liberdade irrestrita de seus usuários e que ele recomenda - distros em geral, não uma em específico -, mas que podem usar qualquer distro.  Sem dramas, sem ataques, só assim, tranquilamente.

Software livre vs Código aberto (ou free software vs open source)

Como eu já havia dito antes e repito, não existe esse dilema.  E assim também disse Stallman.  Não importa licença: se respeitar as 4 liberdades é software livre.  E pronto.  E ele pediu carinhosamente para não se referir mais como open source, apenas como free software para lembrar a todos como a liberdade é importante.  Um ponto interessante que ele comentou foi em relação à diferença entre o ponto de vista de free software em relação ao open source: free software se preocupa em sempre criar uma comunidade, enquanto open source não, apenas com o ponto de vista de melhoramento do software.  Não sei se concordo muito com isso, pois vejo várias comunidades de open source, inclusive mesmo com a própria Microsoft.  Perguntado sobre isso, ele apenas desconversou.

Blu-Ray e DRM

Ele recomendou o não uso de disco blu-ray, aqueles que parecem um DVD mas tem 50 GB de capacidade de armazenamento, pois os mesmo usam DRM (Digital Rights Management - Gerenciamento de direitos autorais digitais), o que significa que o disco não é seu, e que precisa de uma chave criptográfica para poder assistir seu conteúdo, chave essa que não existe em softwares livres.

Era basicamente o mesmo com o DVD, mas por descuido de uma empresa que foi à falência, essas chaves foram descobertas por um hacker e portadas como software livre.

Eu particularmente não sabia disso sobre os blu-rays, mesmo porque nem assisto blu-ray.  Foi uma geração de tecnologia de armazenamento que eu simplesmente pulei.  Exceto no meu PS3.

Amazon e Netflix

Como o assunto enveredou por DRM, chegamos ao ponto da discussão sobre Amazon e Netflix, onde todo software deles tem um componente de DRM.  Esse DRM permite que Amazon remova livros de seu HD sem ao menos pedir consentimento do usuário, violando claramente as 4 liberdades de software.  E usou como exemplo o livro 1984 de George Orwell, que apesar de estar em domínio público, foi removido de todos os dispositivos Kindle devida a uma infração de copyright alegada por uma editora.

Netfllix apareceu na mesma categoria por não permitir baixar seus filmes para assistir posteriormente, controlando o comportamento do usuário.

Pirataria

Falando de filmes e conteúdo multimídia, no fim chegamos ao tema da pirataria.  Segundo Stallman pirataria não existe pois nenhum bem é saqueado de ninguém, ninguém perde dinheiro com cópia.  Então o que se convencionou chamar como pirataria não existe.  Existe a cópia digital de conteúdo, que nunca traz danos ao seu dono, pois nada é roubado ou extraído.  Só copiado.  Ele ainda pediu para evitar o termo "pirataria" e usar o termo "cópia digital".

Vigilantismo

A parte de vigilância pela Internet tomou boa parte da palestra de 2 horas.  Segundo Stallman temos de tentar ao máximo fugir do vigilantismo que ocorre atualmente.  Infelizmente a fórmula recomendada por ele não parece lá muito fácil de seguir:

  • não usar cartões de crédito (exceto pra comprar passagem de avião)
  • não postar nada pessoal em nenhuma rede social
  • não usar sua identidade para nenhuma comunicação que não seja oficial
  • usar sempre criptografia para navegação via browser
  • usar sempre criptografia para mail
  • usar redes sociais para compartilhar informação, mas não pessoal
  • não usar telefones celulares, pois eles podem nos monitorar (nem mesmo com versão modificada do sistema)

 Então a idéia central não é não usar redes sociais, mas usar para compartilhar conhecimento, não informações pessoais.  O restante pede um tipo de vida mais frugal.  Muito mais.

Empreendedorismo com software livre

Stallman falou sobre negócios na área de software livre, para minha surpresa.  Claro que a proposta de monetização segundo ele, não soa como algo que funcione na vida real.  Disse que os sites podem sim monetizar com propaganda, mas a propaganda tem de garantir a liberdade do usuário, não fazendo nenhum tipo de "tracking".  Então o projeto GNU está preparando um framework de monetização onde todos doarão dinheiro pra plataforma e, conforme acessarmos os sites participantes, esses serão remunerados pela audiência.  Isso me fez lembrar um pouco do ECAD.  E não vi muito um modelo claro de negócio que sustente software livre dessa maneira, mas ao menos o assunto está em pauta por lá.

Também tem o fato da própria FSF estar lançando uma campanha para conseguir novos membros, pra poder pagar por sua estrutura.  Com esse tipo de problema de arrecadação financeira, não vejo um desenrolar muito brilhante num modelo de negócios que eles venham a gerir.  Mas cabe a cada um decidir experimentar e participar.  Ou não.

Kernel Linux com código não livre

Não, ele não falou nada disso.  Aliás usou o logo do Linux com pinguim preto, não o azul.  Não sei quem começou a propagar essa distorção, mas Linux não tem código proprietário.  Só sincronizar os fontes com o repositório git e verificar.

 

Em resumo

Foi uma palestra interessante com uma abordagem bem diferente da que estou acostumado a assistir.  Apesar de mostrar bastante moderação e comedimento em suas palavras, quando chegamos no tema de vigilantismo só faltou mesmo o Stallman colocar um chapéu de papel alumínio.  Ele é até coerente em suas palavras, dizendo pra não usar nenhum tipo de cartão de crédito, e só pagar em dinheiro, pois todos podem e estão sendo monitorados em suas ações.  Pura verdade.  Mas é difícil abrir mão dessas facilidades.  E muito.

Ao final de sua palestra, não vi muitos ouvintes comovidos por suas palavras.  O que ouvi foi um seco "é... foi legal", mas ninguém se empolgou em seguir totalmente o que Stallman falou.  Nem sobre vigilantismo, nem sobre software livre, já que muitas pessoas usam MacOSX para trabalhar por aqui.  E muitos usam Ubuntu também.  Talvez por isso o auditório não tenha ficado cheio, mostrando vários assentos disponíveis durante a palestra.

Mas pelo fato de ter ouvido ele dizer que BSD é software livre e que não existe open source, só software livre, pra mim isso já valeu a palestra inteira.

Ele comentou que software livre constrói também comunidades que se baseiam no respeito e, se sua comunidade tem conflito, para evitá-la ou trocar por uma com o verdadeiro espírito do software livre, de ajuda e positivismo.  Mas esse ponto da palestra dele eu deixo pra comentar em outra oportunidade.