image1 image2 image3 image4 image5 image6 image7 image8 image9 image10

O serviço mais barato

O serviço mais barato

Hoje apareceu essa imagem no facebook (sim, uso facebook e muito) e me fez lembrar de uma situação que aconteceu durante meu período como consultor, quando vivia em Floripa.  É praticamente um conto, mas acho que serve pra ilustrar que algumas coisas não se negociam e, entre elas, o seu valor pelo trabalho.

Como eu vivia em Florianópolis, era (e ainda é) fácil encontrar mão de obra por causa das universidades da região, seja da própria UFSC, seja da UDESC, ou até mesmo da federal de Joinville.  Fácil e farta.  Não faltava gente que não soubesse instalar Linux.  Hoje deve ser mais fácil ainda, já que a instalação é algo trivial.  Mas naquela época eu estava me especializando em fazer migração de servidores que rodavam o Unix SCO pra Linux ou FreeBSD.  Meu predileto era FreeBSD, que era mais fácil de manter que Linux, já que não tinha Internet fácil ou rápida em todo lugar.  E a compatibilidade binária pra rodar SCO era melhor, quer dizer, menos problemática.

Conectiva 4.0

Mas eram épocas de Conectiva, que estava em destaque com seu 4.0.  A caixa preta dava mesmo um visual de superioridade, de diferencial, de estilo de vida, de "sou maneiro, sou réquer", e as pessoas queriam usar Conectiva Linux em seus servidores.  Se não fosse FreeBSD, eu preferia Debian, mas Debian nunca teve o appeal de marketing que uma Conectiva tinha na época.  Eu usava Debian, mas era fã daquele visual do Conectiva.  Era impossível não ser.

Então eu tinha esse cliente, que era uma concessionária de carros.  A concessionária tinha a matriz, em Floripa, e várias filiais localizadas em outras cidades.  Algumas distantes (acho que em Chapecó, extremo oeste de Santa Catarina).  Depois de muito conversar, convencer, negociar, e testar, ele topou a migração de seu sistema de SCO pra Linux.  Foi complicado, pois as filiais eram interligadas via LPCD, uma linha dedicada alugada da empresa de telefonia (TELESC na época) que funcionava via serial em velocidade de 9600 bps ou acima disso, mas não muito.  E nem eram bits por segundo, eram bauds :-D

A configuração do aplicativo migrado do SCO foi bem fácil.  O que me deu muito trabalho foi acertar as linhas seriais, que eram conectadas ao servidor via placa multiserial da Cyclades (alguém lembra disso?).  Em cima da placa eu tinha as conexões ppp, que eram configuradas diferentemente, pois cada LPCD tinha uma característica.  Não era o mais difícil, pois as linhas seriais eram assíncronas, abaixo de 64 kbps, mas não era fácil.

Na época não existia nada formal pra backup.  Unidades de gravação de CD eram caras e, por isso, raras.  Unidades de fita?  Isso era coisa de empresa grande ou universidade.  Então pra contornar o fato do cliente poder fazer alguma barbeiragem com o sistema instalado, eu fazia um backup das configurações do "/etc" usando RCS.  Era tosco, mas funcionava e sempre me livrava do cliente que dizia "mas eu não mexi em nada".  E me salvou inúmeras vezes.

Então veio o dia fatídico.  E esses dias sempre acontecem numa sexta-feira, em geral perto das 5 da tarde.  O cliente me ligou dizendo que tinha tido um "crash" no HD e precisa reinstalar tudo, pois, como eu já descrevi antes, não tinha backup.  Hoje, olhando pra trás, eu sinto que éramos barnabés da informática, pois nem um pendrivezinho tinha pra fazer backup naquela época.  Claro que tínhamos os disquetes de 1.44 MBytes, mas aquilo já ninguém usava.  Pra complicar mais o meio de campo, o cliente ainda avisou que precisava rodar o faturamento na segunda-feira, que era fechamento do mês.

Como de cabeça já imaginei um fim de semana perdido, instalando servidor, reconfigurando e passando o domingo verificando conexão com as filiais, já pedi um valor alto.  Não lembro quanto foi, mas diria que foi uns 3 mil reais.  Como o valor era alto, muito mais que eu costumava cobrar pra esse tipo de atividade, ele me pediu pra pensar, pra comparar preços com outros consultores.  Lembro de ter avisado que tudo bem, mas só ia esperar até perto das 7 da noite e, se fosse embora, não ia mais atender ele durante o fim de semana.

Perto do horário de deixar a empresa e ir pra casa, eis que ele me liga.  Queria fechar comigo o serviço, mas estava muito caro.  Seria possível negociar?  Expliquei pra ele o quanto seria ruim para mim perder fim de semana por causa dele, pela urgência, e tudo mais.  Mas então ele veio com o argumento que determinou a negociação:

- Mas tem um rapaz da faculdade que disse que faz por R$ 300,00.  Não dá pra fazer pelo mesmo preço?  Afinal é só instalar o Linux...

Fiquei calado por uns 10 segundos.  A dúvida é se o mandava à merda, ou alguma outra forma de extravasar o desprezo que surgiu em mim.  Mas respirei fundo e disse:

- Se ele pode fazer por 300, eu não consigo competir com esse preço.  Por favor, faça o serviço com ele.  Fico feliz que tenha encontrado alguém que possa atender melhor que eu, e com valores mais baixos.

E claro que fiquei muito, mas muito puto.  Tanto que lembro da história até hoje.  Mas fechei as coisas e fui pra casa.

Sábado foi um dia tranquilo, com direito à praia, camarão e cerveja.  Domingo não foi muito diferente.  Não muito?  No fim do domingo comecei a receber as ligações do cliente.  Como ele não tinha nenhum contrato comigo, não atendi.

Segunda-feira começou cedo.  Por volta das 7 da manhã ele já me ligava.  Imaginei que estava desesperado, e que algo tinha dado errado, mas muito errado.  Tomei calmamente meu café, enquanto o celular se retorcia em cima da mesa, com o toque em modo vibração somente.

Por volta das 9 da manhã atendi o cliente.  Era catástrofe pura.  Tudo tinha dado errado, o sistema não tinha funcionado, o del não dava del, o windows não fazia windows, o enter não dava enter, e assim por diante.  Perguntou carinhosamente se eu poderia atendê-lo ainda.  Respondi positivamente:

- Claro, mas agora o valor é R$ 5.000,00.

- Mas você tinha dito 3000????

- É que agora eu preciso arrumar a bagunça que ficou aí.  Mas se não quiser, pode procurar outra pessoal.

Eu gostaria de terminar a história com "e ganhei todo esse dinheiro e fiquei super feliz", mas eu realmente não lembro o final.  Eu acho que ele não topou.  Só lembro que nunca mais entrou em contato depois disso.

E eu?  Eu realmente não sinto, até hoje, a menor falta de ter ganhado esse dinheiro.  Mesmo.  Só o fato de ter recebido a ligação na segunda-feira valeu mais que qualquer outra coisa.

 

2017  helio.loureiro.eng.br   globbersthemes joomla templates