Os artigos mais lidos

Quarta, Janeiro 30, 2013 Helio Loureiro Blog 18907
XGH é uma das coisas mais genias que surgiu nos últimos tempos, descrevendo a estupidez que se aplica em métodos ágeis, mas que reflete bem o ambiente corporativo. Infelizmente o site foi abandonado...
Sábado, Maio 03, 2008 Helio Loureiro FreeBSD 16003
This article is kindly linked by: http://tuxmobil.org/hp_compaq.html http://tuxmobil.org/mobile_bsd.html Barely finished my last article about FreeBSD (PRERELEASE at that time) on Compaq laptops,...
Quarta, Junho 11, 2014 Helio Loureiro Blog 15830
Nem só de discussões de licença, flamewares, releases de kernel e ativistas sapatênis vive o mundo do software livre. Às vezes é envolto de mistério também. Um dos enigmas recentes foi o sumiço da...
Sexta, Maio 20, 2005 Helio Loureiro Python 15530
Esse é o script usado para autenticar automaticamente no Speedy da Telefonica (região de São Paulo). Evita que usuários residenciais, como eu, precisem estar em frente à máquina, permitindo que a...

Depois da festança, sempre vem a ressaca.  Sempre.  O governo brasileiro sente com força esse pós-festa que se reflete em toda economia e deve durar ainda alguns bons anos pra se recuperar (haja engov).  Tudo causado por um certo "abuso" nos gastos que junto com um certo "otimismo demais" e uma não leitura da realidade resultou nisso.

E o governo brasileiro não está sozinho.  Eike Batista sofreu do mesmo mal com suas empresas X.  Vendidas como o modelo de empresas que se deveriam seguir no Brasil, com o típico empresário de sucesso, a bonança terminou antes que qualquer projeto fosse finalizado e empresas gerassem algo mais que prejuízo.  Como resultado a ressaca foi brava.  Quem acreditou, perdeu muito dinheiro.  Não, o Eike não perdeu dinheiro.

Em software livre existe algo parecido.  A festança foi a celebração da luta contra "as redes devassas", contra a "monitoração da NSA".  Como a canção de Gilberto Gil, todos gritavam "vamos fugir, desse lugar, babe" e apontavam a solução pra redes como Diaspora, Quitter, OpenMailBox, RiseUp, etc.  Quando escrevi o artigo as empresas nefastas e redes devassas, já apontava um problema de sustentabilidade: como uma alternativa dessa se mantem viável?  Quem paga essa conta?

Mas era época de festança.  Quem liga pra quem paga a conta enquanto tem cerveja?  E gratuita!  Todo brasileiro que se dizia ativista corria em euforia pra nova rede gratuita, gritando que errados eram os outros.  Éramos vendidos.  Não sabíamos o preço de nossa liberdade.

Mas chegou a ressaca.  Hoje ao entrar na rede do Diáspora, que faço pelo joindiaspora.com, que consegui participar por convite do Eduardo (BoiMate), encontrei um botão de doação.  Pra se manter vivo, o serviço precisa de máquina, acesso Internet, eletricidade, etc.  De forma voluntária é mantido o software e sistema, mas isso não basta: precisa de dinheiro.

Da mesma forma, com praticamente nenhum uso, tenho uma conta no OpenMailBox.  Das mensagens que recebo, o mesmo tipo de pedido: precisamos de dinheiro pra continuar existindo!

É algo terrível ou anti-ético?  Pelo contrário.  Se o modelo de financiamento não é por monetização com propaganda, nem vendendo nossos meta-dados, nada mais transparente que pedir dinheiro.  Querem usar o serviço?  Ajudem a manter!  A ASL pediu doações  pra realizar o FISL e teve, segundo relatos, um dos melhores FISLs dos últimos anos.  Vários serviços buscam financiamento pra se manter, inclusive a FSF.

De minha parte eu contribuo para:

  • JoinDiaspora (esporadicamente)
  • FreeBSD Foundation (esporadicamente)
  • WikiMedia Foundation (regularmente)
  • Free Software Foundation (regularmente)
  • Associação de Software Livre (regularmente)
  • Debian (esporadicamente)

Não é um valor alto, na verdade algo como 20 reais por mês em cada (exceção da FSF que cobra beeeeem mais caro), mas já deve ajudar.

E você que usa software livre, pra qual projeto faz doação em dinheiro?  Não acha que vale à pena ajudar algum projeto que goste?  Pense bem nisso antes da ressaca bater forte.