Os artigos mais lidos

Quarta, Janeiro 30, 2013 Helio Loureiro Blog 19317
XGH é uma das coisas mais genias que surgiu nos últimos tempos, descrevendo a estupidez que se aplica em métodos ágeis, mas que reflete bem o ambiente corporativo. Infelizmente o site foi abandonado...
Sábado, Maio 03, 2008 Helio Loureiro FreeBSD 16582
This article is kindly linked by: http://tuxmobil.org/hp_compaq.html http://tuxmobil.org/mobile_bsd.html Barely finished my last article about FreeBSD (PRERELEASE at that time) on Compaq laptops,...
Quarta, Junho 11, 2014 Helio Loureiro Blog 16135
Nem só de discussões de licença, flamewares, releases de kernel e ativistas sapatênis vive o mundo do software livre. Às vezes é envolto de mistério também. Um dos enigmas recentes foi o sumiço da...
Sexta, Maio 20, 2005 Helio Loureiro Python 15689
Esse é o script usado para autenticar automaticamente no Speedy da Telefonica (região de São Paulo). Evita que usuários residenciais, como eu, precisem estar em frente à máquina, permitindo que a...

Cansado de tanta repercursão negativa e tentando ter seu kernel em acordo com as diretivas da GNU, Linus Torvalds está lançando a versão do kernel que passará a se chamar "mimimi".  Segundo o próprio:

- O que antes se chamava Linux, de agora em diante será chamado simplesmente de mimimi.  Não virá mais com nenhum blob binário ou suporte a hardware que não seja livre, ou melhor, livre de mimimi.  Aliás também não terá gereciamento de memória, já que ninguém lembra mesmo de nada e quando o assunto é "fazer software", o sujeito finge que não é com ele.  Isso atenderá as demandas de liberdade de todo mundo, que poderá chamar de sistemas GNU/mimimi.

Apesar de não ter sido claro e específico, o novo kernel parece ter sido feito sob medida pro Brasil, pois leva a tag "br".

A versão inicial é 6.6.6-br mas não se sabe se o GNU/mimimi terá mais versões ou vai ficar nesse mesmo release indefinidamente. Alguns já dizem que GNU/mimimi não precisa de mais versões, pois o mimimi é infinito.

Nota: esse é um post de 1º de abril.  E o choro, como sempre, é livre.